O melhor do Peru e sua Mistura!

As sócias da Gastromundi, Marina e Manuela Guedes, mergulharam na cultura peruana e pesquisaram sobre uma das culinárias mais influentes do momento.

No final do mês de outubro iniciou a 10ª edição da Mistura, uma feira gastronômica que reflete tudo que representa a culinária peruana. A diversidade de ingredientes e preparos mostra por que esta é considerada uma das melhores cozinhas do mundo na atualidade e justifica os mais de 400 mil visitantes. Confira algumas das curiosidades:

CUY, A SENSAÇÃO DA FEIRA: Pode parecer estranho para alguns, mas o prato mais vendido na feira, segundo os organizadores, foi o cuy, um bichinho muito parecido com o porquinho-da-índia. Não poderia ser diferente, já que as filas para comprar essa iguaria eram imensas! Tivemos a oportunidade de provar: é extremamente saboroso e lembra carne de ave. O cuy é um dos animais mais representativos do Peru, presente no menu de quase todos os restaurantes, estampando camisetas (do tipo “The Walking Cuy”) e fazendo sucesso como bichinho de pelúcia nos artesanatos.

O TRADICIONAL CEVICHE: Obviamente, ceviche ocupou lugar de destaque na feira. A cevichería, local destinado para dezenas de estandes de restaurantes especializados em de pescados, mostrava que esse prato é, realmente, um ícone da culinária peruana. Provamos dos melhores ceviches do mundo! E o mais maravilhoso: todos eram muito bons! Cada restaurante fazia suas próprias combinações com o peixe, sempre com ingredientes típicos, como batata ou milho crocante. Não bastasse todas essas delícias, o ceviche ainda vinha mergulhado num molho chamado leite de tigre, um preparado liquidificado à base de peixe, limão, cebola roxa, coentro e pimenta fresca.

EL GRAN MERCADO – OS PRODUTORES: O Peru conta com uma grande produção agrícola, em especial o cultivo de mais de 3 mil espécies de batatas e dezenas de tipos de milho. O cultivo desses alimentos vêm da cultura pré-inca, com registros de consumo de milho há mais de 6 mil anos. A feira ofereceu seu maior espaço aos produtores e agricultores do país que demonstraram muito conhecimento e simpatia. Os produtos eram os mais variados: pães, chás, chocolates, cafés, queijos, temperos, vegetais, raízes, frutas e bebidas. O salão do pisco era uma das atrações, com diversos produtores da bebida peruana feita com uva, oferecendo degustação do famoso preparo chamado pisco sour, onde se acrescenta limão (ou outra fruta), xarope de açúcar e clara de ovo.

BRASAS: O setor de assados se destacou pela quantidade e qualidade de carnes. Havia coelho, porco, pato, cuy, cordeiro, entre outros. O consumo de carne de caça é significativo no país e as diversas formas de assar chamam a atenção dos turistas. Além da parrilla (grelha inclinada sobre brasas na churrasqueira), do forno de barro e do fogo de chão, a caja china se destaca. É uma caixa de inox, onde a carne assa do lado de dentro e as brasas ficam sobre a tampa, do lado de fora, resultando em suculência e concentração de sabor, além de permitir uma crocância da pele do porco pela proximidade com o calor das brasas.

ASTRID & GASTÓN: Na semana de divulgação dos 50 melhores restaurantes do mundo, onde dentre os 10 melhores da América Latina estão 3 peruanos (2 no topo), impossível não aproveitar a estadia no Peru e desfrutar do 7º da lista. O menu degustação do restaurante Astrid & Gastón, do chef Gastón Acurio e sua esposa Astrid Gutsche, com 15 pratos, deixa claro que ele merece estar onde está. A beleza e detalhes das pequenas porções encantam. O sabor, com foco nos ingredientes tradicionais do Peru, chama a atenção de paladares mais apurados pelo cuidado no preparo e, apesar de saciar qualquer fome, deixa uma vontade de experimentar mais.

CARNE DE ALPACA: A alpaca é um animal semelhante à lhama e sua carne é bastante apreciada Peru. É muito saborosa e lembra um pouco a carne de gado. Saboreá-la com purê de brócolis e grãos de um milho cozido típico do local, mergulhados em um creme à base do mesmo cereal foi uma experiência inesquecível.

NÃO PERCA NO PERU: Como Machu Picchu é parada obrigatória para quem vai ao Peru, sugerimos um passeio diferente e instigante. Nas Salineras de Maras, brota água salgada das montanhas! Os moradores locais produzem sal como era há mais de 800 anos. A água salgada se deposita nas centenas de retângulos (cada um pertencente a uma família) delimitados na encosta da montanha. O sol se encarrega de acelerar a evaporação da água, ficando somente o sal. O chamado sal de Maras, o nome da localidade, é comercializado no país todo das mais diversas formas: com temperos, em flor de sal, nos chocolates, sais de banho e sal rosa.

 

< voltar Veja outras novidades